Fernao Pires

Fernão Pires

Fernao Pires, Casta Portuguesa

Fernão Pires, é uma casta versátil e rica em compostos aromáticos

Fernão Pires é actualmente uma das castas mais plantadas em Portugal. Presente em quase todas as regiões, é na região de Lisboa, Tejo e Bairrada que tem uma produção de volume. 

Fernão Pires é versátil e rica em compostos aromáticos, o que explica a sua popularidade entre os apreciadores de vinho.

É também possível a colheita tardia, tendo em vista o desenvolvimento de vinhos doces. Se por um lado alguns vinhos requerem envelhecimento, por outros devem ser bebidos jovens. 

Um vinho Fernão Pires é o caso.  É uma casta sensível às geadas e cuja preferência é pautada por solos férteis, portanto, clima temperado ou quente.

Fernão Pires, Portugal, Casta

Solos e Condições Climatéricas

Sensível às geadas e cuja preferência é pautada por solos férteis e clima temperado ou quente.

Porquê provar Fernão Pires?

Porque é uma casta de consenso que irá encontrar em inúmeros produtores de Norte a Sul do País. Porque provar vinho, independentemente da região ou produtor, é apoiar a produção, desenvolvimento e inovação Portuguesa. 

Portugal ganha anualmente centenas de prémios vínicos nos mais prestigiados concursos internacionais. Alguns dos quais, entregues a vinhos com a casta Fernão Pires. 

Desenvolva os seus sentidos através do vinho. 

Fernao Pires, Portugal

Principais Regiões de Vinho de Cultivo Fernão Pires

Região Vitivinícola do Dão

É também conhecida como Maria Gomes na Região vínica da Bairrada. Esta, é caracterizada por ser plana ao longo do litoral, com influência do Oceano Atlântico. 

Clima com chuvas regulares e abundantes e temperaturas médias em Portugal Continental.

Para além da predominância da casta Fernão Pires (ou Maria Gomes), as castas brancas principais são também o Arinto, Bical, Cercial e Rabo de Ovelha. Castas Tintas nacionais:  Alfrocheiro, Tinta Pinheira, Touriga Nacional. Castas Internacionais: Chardonnay, Carbernet Sauvignon, Syrah, Pinot Noir e Merlot.

Região Vitivinícola do Tejo

Anteriormente denominada de Ribatejo, é a partir de 2009 que em homenagem ao Rio Tejo, a região passa a ter esta denominação.

A região vitivinícola do Tejo é sobejamente conhecida desde a ocupação romana na Península Ibérica. O património arquitectónico é rico e o Rio Tejo é altamente responsável pelo terroir da região. As áreas planas e os rios da região, tem um impacto enorme nos terrenos de cultivo e também por essa razão as castas Portuguesas.

Touriga Nacional, Trincadeira, Castelão e Aragonês são as castas vermelhas que prevalecem, enquanto que Arinto e Fernão Pires são as castas brancas favoritas.

Outras Regiões Vitivinícolas

A casta Fernão Pires está na realidade presente em praticamente todas as regiões de vinho Portuguesas, com maior ou menor impacto. 

A curiosidade de ter nome diferente na Bairrada, é por si só indicador de hábitos e tradições distintas da região. 

A casta tem presentemente 17500 hectares de produção em Portugal e representa cerca de 1,2% da produção nacional.

Prove vinhos Portugueses, monocastas ou blends, a diversidade de Norte a Sul é imensa.